segunda-feira, 9 de setembro de 2013

14 de Setembro de 1974 Entra em Operação o Metrô Paulistano



Metropolitano de São Paulo ou Metrô como é popularmente conhecido, é um sistema que serve a cidade de São Paulo, operado pela Companhia do Metropolitano de São Paulo. Fundada em 24 de abril de 1968, a empresa é responsável pelo planejamento, projeto, construção e operação do sistema de transporte metropolitano na Região Metropolitana de São Paulo.
O metrô paulistano possui uma extensão de 74,3 quilômetros de linhas ferroviárias distribuídas em cinco linhas, ligadas por 64 estações - 58 operadas pelo Metrô e 6 pela Via Quatro. Possui interligação com o sistema de trens urbanos, através de integração com linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos - CPTM.

Diariamente o Metrô transporta 3,4 milhões de passageiros. Em 2010 o Metrô de São Paulo foi considerado o melhor sistema de transporte sobre trilhos da América Latina pelo The Metro Awards.
História
Os meios de transporte existentes até a metade do século XIX deixavam a desejar e impediam a expansão da cidade. O primeiro meio de transporte moderno a chegar a São Paulo foi a ferrovia, em 1867, no entanto os serviços de trens suburbanos somente chegariam na década de 1920.
O sistema de bondes, inaugurado em 1872, que garantindo uma ligação rápida entre o centro e a periferia de São Paulo permitiu a expansão da cidade. Porém a demanda de transportes da cidade era maior do que a capacidade e eficácia desse sistema.
Desta forma tornou-se premente que outras formas de transportes fossem encontradas. Assim, as primeiras discussões sobre a implantação de um metrô surgiriam em 1888.
Em 1898 um projeto sugeria uma linha circular em superfície que ligaria as ferrovias existentes aos principais pontos do centro.   Em 1906 o então prefeito Antonio da Silva Prado concedeu autorização para a construção de uma estrada de ferro circular na região central de São Paulo por meio da lei 880, de 9 de março de 1906. Em 1909 foi promulgada a lei 1268, de 1 de dezembro, que prorrogava por trinta anos a concessão. Por pressões políticas, o projeto não foi adiante.
Somente em 1927 a cidade voltaria a discutir a implantação do metrô. O engenheiro Norman Wilson, da São Paulo Tramway, Light and Power Company, apresentou um plano de transportes para reorganizar o sistema de bondes e um projeto para a implantação de um sistema de metrô. A ideia foi rejeitada pela prefeitura.
Na década de 1940 surgiram alguns projetos que acabaram abandonados. Nos mandatos dos prefeitos Armando de Arruda Pereira e Vladimir Toledo Piza houve avanços na concepção do metrô, com a criação da Comissão do Metropolitano, coordenada pelo então ex-prefeito Prestes Maia. Essa comissão propôs um projeto de uma rede radial de cem quilômetros de extensão. Esse projeto tornou-se base para os projetos seguintes da rede de metrô.
Na gestão de Toledo Piza ocorreu a primeira concorrência internacional do Anteprojeto de um Sistema de Transporte Rápido Metropolitano, vencida pela construtora alemã Alweg.
Em 1957 Ademar de Barros foi eleito e cancelou a concorrência de seu antecessor por não conseguir financiamento do BNDES para o projeto.
Estação Sé, inaugurada em 1978.
No início dos anos 1960 Prestes Maia voltou à prefeitura, e Ademar de Barros ao governo do estado, e criaram em 13 de fevereiro de 1963 as comissões estadual e municipal para os estudos de criação do Metrô. Ademar destinou então quatro milhões de cruzeiros para o Metrô.  Com a instauração do regime militar, em 1964, o projeto do metrô de São Paulo teve de esperar o ano seguinte para ser retomado. O Brigadeiro Faria Lima assumiu a prefeitura da cidade em 1965 e tornou o projeto do metrô a meta de sua gestão.
Em 31 de agosto de 1966 foi formado o Grupo Executivo do Metropolitano (GEM), que tinha como objetivo organizar nova concorrência internacional para um estudo de viabilidade econômico-financeira. Ao mesmo tempo a Câmara Municipal aprovou a lei número 6 988, em 26 de dezembro de 1966, autorizando a criação da Companhia do Metropolitano de São Paulo. No ano seguinte a concorrência internacional foi vencida pelo consórcio HMD (formado pelas empresas alemãs Hochtief e DeConsult e pela brasileira Montreal), que iniciou estudos geológicos e sociais, projetando uma rede básica de setenta quilômetros, dividida em quatro linhas.
No ano de 1968, enquanto o projeto do metrô avançava o sistema de bondes de São Paulo, após anos de decadência, foi desativado no dia 27 de março.
Em 1972 a primeira viagem de trem foi realizada, entre as estações Jabaquara e Saúde. Em 14 de setembro de 1974 o trecho Jabaquara Vila Mariana começou a operar comercialmente, e em 1975 o projeto da Linha Norte–Sul foi concluído, ligando o Jabaquara a Santana, hoje denominada Linha 1 - Azul.
Desde então o metrô vem se expandindo em várias linhas interligadas beneficiando milhões de usuários diariamente.

Em abril de 2012 o governo estadual anunciou a contratação de consultoria para a implantação de três novas linhas na rede entre elas uma que beneficiará o ABC paulista chegando até São Bernardo do Campo.