quarta-feira, 4 de setembro de 2013

1863 - LONDRES INAUGURA O PRIMEIRO METRÔ DO MUNDO



No dia 10 de janeiro de 1863, começaram a circular regularmente os metrôs em Londres.
O primeiro metrô do mundo foi criado por pura necessidade. No começo do século 19, as ruas da capital britânica estavam completamente congestionadas com carroças, carruagens e ônibus de dois andares puxados a cavalos.
Charles Pearson o criador do metrô em Londres, dizia que a única solução para os constantes engarrafamentos era transferir o transporte coletivo para cima de viadutos ou para debaixo da terra. Por fim o governo decidiu por cavar um túnel que seria cavado entre os fundamentos de uma fileira de prédios.
Para que as obras fossem possíveis 12.000 pessoas – a camada mais pobre da população – ficaram sem teto.

Construção dos caminhos de ferro do metropolitano (© wikicommons).

Graças à grossa camada de argila existente no local foi possível manter as escavações durante certo período sem que o túnel desabasse.
Como à época a energia elétrica não havia sido inventada os trens começaram sendo movidos a vapor. Os gases eram recolhidos num vagão especial e só liberados fora do túnel. O sistema, entretanto, não era ideal.
O que fez com que o primeiro traçado do metrô de Londres não fosse totalmente subterrâneo.  Alguns locais tinham trilhos abaixo do nível do solo, mas a céu aberto. Apenas a partir de 1890, já usando a eletricidade, o traçado passou a ser totalmente subterrâneo, pois não havia mais problemas de ventilação. Em pouco tempo o metrô ou "tubo" tornou-se a "menina dos olhos" dos londrinos.
O trecho principal, entre Paddington e o centro, tinha 6,5 quilômetros, e entre as 6 e 8 horas da manhã, havia um trem a cada meia hora. Depois, a cada 15 minutos. Os trens eram divididos em primeira, segunda e terceira classe e a passagem custava 6, 4 e 3 pence respectivamente. O sistema foi tão eficiente que em dois anos a passagem para pedestres sob o Rio Tâmisa começou a ser usada. Logo a rede foi ampliada em Londres e área metropolitana.

Budapeste, Paris e Berlim seguiram o exemplo e aplicando os conhecimentos britânicos construíram seus metrôs.